Maçonaria Unida comemora “Dia do Maçom”

Sessão histórica da Maçonaria Unida comemora “Dia do Maçom”

Com a presença de 300 obreiros, a Maçonaria Unida mato-grossense comemorou, neste dia 19 de agosto de 2010, em Sessão Magna da Loja Especial Concórdia, Harmonia e Paz, o Dia do Maçom. O que motivou essa iniciativa foi a consciência maçônica dos três Grão-Mestres, Irmãos José Simioni (GOEMT), José Carlos de Almeida (GLEMT) e Júlio Tardin (GOB-MT). A Loja Especial, criada com base no Landmark nº 07, funcionará todos os anos na antevéspera da data oficial em que se comemora o Dia do Maçom (20 de agosto), ficando, a cada ano, sob a responsabilidade de uma Obediência maçônica. Neste ano a condução da Sessão coube ao Eminente Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil, Irmão Júlio Tardin (Venerável Mestre), tendo como 1º Vigilante o Sereníssimo Irmão José Carlos de Almeida e 2º Vigilante o Soberano Irmão José Simioni.

Participaram como convidados especiais os ilustres maçons Wilson Eustáquio Bregunci, primeiro irmão iniciado no Grande Oriente do Brasil Mato Grosso, em atividade desde 21 de junho de 1976, na Loja Primaz do GOB-MT, A Benemérita Loja Simbólica Luz e Liberdade II nº 1930; Sabino Albertão Filho, primeiro Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil Mato Grosso (1986-1995); Anselmo Falcão de Arruda, Grão-Mestre de Honra do Grande Oriente do Estado de Mato Grosso; Antônio Hans, Past Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Mato Grosso; Ersio Antônio Ferreira Gomes, Past Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Mato Grosso e Ananias Vieira da Silva, Grão-Mestre de Honra do Grande Oriente do Estado de Mato Grosso.

“Fraternidade” foi o tema da palestra ministrada pelo budista Gustavo Pinto, o fráter Monge Shogyo. Na sua concepção, fraternidade é antes de mais nada o reconhecimento de uma origem comum em todas as criaturas, não apenas nos seres humanos. “Fraternidade é esse senso de unidade com o cosmos, com o universo que nós perdemos de vista”. Esse foi o sentido que guiou a sua exposição para uma platéia de 300 obreiros das três Obediências maçônicas do Estado de Mato Grosso.

O budista Gustavo Pinto, o Monge Shogyo, se define como alguém desejoso de servir, de ajudar. É para isso que ele se ordenou, para poder existir alguém, que no momento em que a comunidade precisa sabe que pode contar. E esse momento são momentos que podem ser muito alegres, como quando um casal celebra seu casamento, quando nasce uma criança; ou podem ser momentos difíceis, como quando alguém se torna invisível. E uma família sabe que tem um monge a quem pode recorrer.

Para o Soberano Grão-Mestre do Grande Oriente do Estado de Mato Grosso, Irmão José Simioni, a Maçonaria mato-grossense trilha um novo caminho, com reflexos para a Maçonaria nacional. “Isto porque, por meio desta histórica sessão conjunta, estamos dando demonstração de que entre nós não existem diferenças, buscamos um ser humano melhor, despido de vaidades e ambições pessoais”. Ele fez questão de ressaltar que “além das Obediências está a instituição Maçonaria, a qual todos estamos vinculados em razão do que irmãos somos e como tal devemos nos reconhecer e nos tratar, dentro do mais sadio espírito de concórdia, harmonia e paz, construindo pontes de amizade e fraterna convivência, para a realização de nosso verdadeiro objetivo, o de sermos um fiel, perfeito e justo maçom”.

O Sereníssimo Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Mato Grosso, Irmão José Carlos de Almeida, disse que “a sessão de hoje foi magnífica, onde exercitamos a verdadeira fraternidade da Maçonaria Unida mato-grossense”. Ele classificou a iniciativa dos três Grão-Mestres como “louvável”, cujos trabalhos foram organizados em tempo recorde. Segundo ele, o tema Fraternidade foi escolhido com muita sabedoria, pois é uma das bandeiras da Maçonaria universal, cuja palestra foi ministrada com muita propriedade pelo Monge Shogyo. “Nosso palestrante falou da fraternidade vista sob a ótica budista, que seria uma fraternidade mais ampla, eu diria que é um conceito holístico de fraternidade, ou seja, o homem enquanto ser de maior primor como obra do Grande Arquiteto do Universo”.

O Eminente Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil Mato Grosso, Irmão Júlio Tardin, disse que a iniciativa da Maçonaria Unida mato-grossense pode ser algo inédita. “Estamos buscando os objetivos da Maçonaria, de preparar os homens para serem construtores sociais, criando mecanismos para que as três Obediências tenham o mesmo foco, ou seja, de fazer com que o iniciado seja realmente um homem livre e de bons costumes, não só para entrar na Maçonaria, mas para ser maçom”. Ele disse que há dois tipos de homens, o que persiste e o que desiste, afirmando que o homem maçom é o que persiste, independente de paixões, respeitamos a sociedade. Sobre o tema fraternidade, o Irmão Júlio Tardin disse que foi escolhido dentro da tríade maçônica Liberdade, Igualdade e Fraternidade. “Percebemos que o homem não consegue ser livre ou igual se não for fraterno. Primeiro temos que nos relacionar como irmãos. Se sou fraterno consigo ser igual, e se sou igual sou livre!”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: