Arquivo de Rito

A Ordem do Dia no Ritual Emulação

Posted in Livros with tags , , , , on 20/04/2010 by J.D.

O autor Fabio Mendes Paulino criou um interessante texto sobre a ordem do dia no Ritual de Emulação, este texto encontra-se neste link.

É bom notar que maiores detalhes podem ser encontrados no livro dele neste link, inclusive o texto que aparece nesse link anterior é um resumo de uma parte do livro!!

Já comentamos neste blog na seção sobre o lançamento do livro do irmão, visitem e comentem!

Boa leitura a todos!

TFA

O rito Brasileiro

Posted in Introdução, Textos genéricos! with tags , , , , , , , , , , , , , on 11/07/2009 by J.D.

O Rito Brasileiro foi introduzido oficialmente pelo Grande Oriente do Brasil em 1914, quando era Grão-Mestre Lauro Sodré.

Teve curta duração inicial, ficando sem uso até meados da década de 1940. De 1940 até a década de 1960, houve várias tentativas de reerguer o Rito, porém sem sucesso. Somente em 1968, sendo Grão-Mestre o professor Álvaro Palmeira, este Rito foi regularizado, sendo praticado por várias Lojas até aos dias atuais.

Adota a legenda Urbi et Orbi (até então usada privativamente pela Igreja Romana), que significa sua atuação nacional e internacional.

Tal como o Rito Escocês Antigo e Aceito, adota o sistema de 33 graus em seus ensinamentos, com três graus simbólicos e trinta graus filosóficos, mas com a diferença de que seus graus ditos filosóficos estudam temas atuais e relevantes.

O que é o Rito Brasileiro.

* É um Rito Regular, já que acata os Landmarques e demais princípios tradicionais da Maçonaria, e os usos e costumes antigos. Com isso, pode ser praticado em qualquer país. Proclama a glória e a fraternidade dos homens, e estabelece, durante as sessões, a presença das três Grandes Luzes: o Livro da Lei Sagrada, o Esquadro e o Compasso, e emprega os símbolos da construção universal.

* Sua base é a Maçonaria Simbólica universal(graus de Aprendiz, Companheiro e Mestre). Sobre ela se eleva a Hierarquia de 30 Altos Graus (no grau 4 ao 33).

* O Rito Maçônico Brasileiro ou o Rito da Maçonaria Renovada, concilia a Tradição com a Evolução, para que, assim, a Maçonaria não se torne uma força esgotada.

Especializa-se no cultivo da Filosofia, Liturgia, Simbologia, História e Legislação maçônicas e estuda todos os grandes problemas nacionais e universais com implicações ou conseqüências no futuro da Pátria e da Humanidade. Realiza a indispensável cultura doutrinário-maçônica e também a cultura político-social dos Obreiros.

* Impõe a pratica do Civismo em cada Pátria, porque a Maçonaria é supranacional, mas não pode ser desnacionalizante.

* O Rito Brasileiro conviverá fraternalmente com todos os Ritos Regulares, através da intervisitação e da interfiliação. O Rito exige dos Obreiros a Vida Reta e o Espírito Fraterno e suas legendas são: – URBI ET ORBI e HOMO HOMINI FRATER.

História do Rito Brasileiro

Fala-se que o Rito Brasileiro teria tido uma origem aparentemente romântica em Pernambuco, quando o comerciante e maçom José Firmo Xavier pertencente a Grande Loja Provincial de Pernambuco, provavelmente pertencente ao Grande Oriente do Passeio, no século XVIII, segundo alguns autores em 1878 e segundo outros em data muito anterior ou seja mais ou menos em 1848, o qual com um contingente alem dele e mais 837 maçons, elaboraram uma Constituição Especial do Rito Brasileiro, colocando o mesmo sob a tutela de D.Pedro IIº e do Papa. Existem depositados na Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro, dois documentos que pertenceram à D.Pedro II que nos dão informações sobre esta entidade e que tem o seguinte enunciado:

“Const:.Maç:. do Esp:. Rit:. Braz:. de Nob:. e Aug:. Caz:. Cor:. Liv:. sob os Ausp:. de S:.M:.I:.S:.D:.P:.S:.I:.B:. meu Alt:. e Pod:.Gr:.da Ord:.Braz:. em todo o Circulo do Império Brazileiro— Offerecido S:.M:.I:.D:.P:.S:.I:. do Braz:.Alt:. e Pod:.Sen:.Gr:.Mest:. da Ordem Brazileira”.

Entretanto, a D.Pedro IIº que nunca foi maçom, José Firmo Xavier lhe outorgou o grau 23º, e o considerava o Grande Chefe Protetor, quanto a si, autointitulou-se com o título de Grande Chefe Propagador “ad vitan” sendo que, no caso de seu falecimento seria substituído por um Grande Chefe Conservador. Senão estranho, todavia, muito curioso e interessante.

Trata-se estes documentos de manuscritos que foram oferecidos ao Imperador, pensando que o mesmo aceitasse ser Grão-Mestre, ou no mínimo ser o Protetor deste movimento que pretendiam fundar. Entretanto, D.Pedro II°, muito embora nunca tenha sido inimigo da Maçonaria jamais pensou em ser maçom. Guardou os documentos e posteriormente os entregou à Imperatriz Dona Thereza Cristina Maria de Bourbon. Daí a explicação porque estes documentos estão no Museu Nacional, felizmente até certo ponto, porque se estivesse em algum arquivo ou biblioteca de algum maçom temos a certeza de que dificilmente teríamos notícia desta preciosidade. Aquele Rito, naquela ocasião não vingou, porque entre outras contradições, não aceitava que fossem iniciados pessoas que não fossem nascidas no Brasil, mostrando um nacionalismo inconseqüente e alem do mais, D.Pedro IIº não estava muito interessado em Maçonaria, apesar de seu pai ter sido maçom. Assim como, não tem lógica um rito maçônico se colocar sob a tutela do Imperador e do Papa.

Estamos mencionando este fato mais como uma citação, diga-se de passagem, porem sem considera-lo como um movimento maçônico propriamente dito, e sim como uma sociedade secreta nos moldes da Maçonaria para se colocar a serviço do Imperador e da religião católica, talvez até com fins políticos, ou ainda para obter as benesses do governo imperial.

Esta história caiu no esquecimento e este “Rito” que pretendiam fundar não deu certo. Mas, após iniciada a Primeira Grande Guerra Mundial em 1914, o Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil, o Irmão Lauro Sodré ( Lauro Nina Sodré e Silva, nascido em 17.10.1858 em Belém do Pará e falecido no Rio de Janeiro em 16.06.1944 – Iniciado na Loja “Harmonia” de Belém PA em 01.08.1888), através do Decreto n.º 500 datado de 23.12.1914, determina que, em reunião de 21.12.1914, o Ilustre Conselho Geral da Ordem aprovou o reconhecimento e incorporação do Rito Brasileiro entre os que compõem o Grande Oriente do Brasil, com os mesmos ônus e direito, regido liturgicamente pela sua Constituição particular.

Existem autores que ligam este fato à militares nacionalistas. Não nos parece provável, poderia até existir militares ligados à fundação do Rito, como sempre eles estiveram presentes no GOB em toda a sua existência não tanto por sua situação de militar, mas sim como verdadeiros maçons e idealistas da Ordem. Este é um fato inconteste que não se pode negar. Entretanto, não progrediu o Rito naquela época, mesmo seguindo-se mais dois Decretos complementares impondo e confirmando a legalidade do Rito assinados pelo Grão-Mestre Adjunto o Almirante Veríssimo José da Costa, que substituiu o Irmão Sodré após a sua renuncia para exercer o cargo de Governador do Pará, ou seja, o Decreto n.º 536 de 17.10.1916 em que ratificava o Decreto de Sodré afirmando pelo artigo l.º que: “Fica reconhecido, consagrado e autorizado o Rito Brasileiro criado e incorporado ao Grande Oriente do Brasil pelo Decreto n.º 500 de 23.12.1914”, e o Decreto n.º 554 de 13.06.1917 pelo qual em seu artigo único assim se referiu: “ Fica adotada e incorporada ao patrimônio da legislação do Grande Oriente do Brasil a Constituição do Rito Brasileiro contendo sua Declaração de princípios, Estatutos, Regulamentos, Rituais e Institutos”.

Refere-se que este Irmão estava muito empenhado na fundação do Rito e que talvez possa ter sido o principal incentivador da fundação do mesmo. Houve após, em realidade, um adormecimento temporário, já que tudo o que havia sido resolvido apenas se restringia no papel, sem lojas fundadas, sem rituais sem constituição e etc.. Era mais um movimento, de um grupo de Irmãos tentando fundar um novo Rito.

Fala-se que em 1919 o então Grão-Mestre, o Irmão Nilo Peçanha ( Iniciado na Loja “Ganganelli do Rio” em 11.l0.1901. Tomou posse em 21.07.1917,como Grão-Mestre do GOB. Havia sido Vice-Presidente da República gestão l906/l910, quando substituiu o Presidente do Brasil Afonso Pena, por falecimento deste, desde 14.06.1909 até 25.l1 1910.- Depois Senador em 1912 e Governador do Estado do Rio de Janeiro) teria assinado a 1ª Constituição do Rito Brasileiro, definida como tendo o Rito, 33 graus. Entretanto não se confirma esta informação, pois lendo-se todos os Boletins do Grande Oriente do Brasil daquele ano, não existem quaisquer referências ou publicações à respeito. Imaginamos que uma decisão como esta teria que constar no Boletim Oficial daquela Potência quer como Ato ou Decreto.

Entretanto, o que se conseguiu constatar nos Boletins do GOB e em especial o de 11/l919 à página 12, foi que, em reunião do Conselho Geral da Ordem, de 07.11 uma Loja do Rito Brasileiro de Recife comunicava a sua instalação em 26.10, tendo inclusive enviado um lista de sua administração. Ainda no Expediente da reunião de 24.11 foi lida uma Prancha da Loja Provincial do Rito Brasileiro de Recife. Falaram a respeito vários Irmãos, e entre eles o Irmão Octaviano Bastos , que segundo consta, fazia parte do grupo interessado em solidificar o Rito Brasileiro. Entretanto, esta Loja acabou sendo regularizada no rito Adonhiramita, pois não haviam rituais, cobridor do grau, constituição etc..

Em 1921, a Loja “Campos Salles” de São Paulo fundada em 12.01.1921 hoje uma Loja inglesa do Trabalho de Emulação, naquela época dissidente do GOB, mandou imprimir um Ritual que nada mais era que um plágio do Ritual de Emulação (chamado impropriamente de “Rito de York Inglês”) com algumas adaptações, com o nome de Rito Brasileiro. Neste período esta Loja não pertencia ao GOB, porque, segundo consta, teria havido fraude eleitoral no Poder Central, e o Grande Oriente Estadual de São Paulo sentindo-se lesado, em vista de tal problema, tornou-se dissidente, desligando do GOB e, uma vez independente, levou 62 (sessenta e duas) Lojas consigo nessa dissidência. Em verdade, até l92l, não existiam Rituais do Rito Brasileiro, sendo que, para se compilar os três primeiros graus usou-se como base o Ritual de Emulação traduzido por .J.T. Sadler em l920 do inglês e impresso pelo Grande Oriente do Brasil. Estes Rituais foram adotados e aprovados com algumas modificações, pelo Grande Oriente Independente de São Paulo em 26.08.1921, como sendo do Rito Brasileiro. Não se cogitou nesta ocasião dos graus superiores.

A Loja “Campos Salles” após serenados os ânimos voltou ao seio do GOB, porém, trocando de Rito, primeiro para o REAA, logo depois para o Trabalho de Emulação(“York Inglês”) Depois de iniciada a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) voltou-se novamente a falar em Rito Brasileiro. Em Sessão do Grande Conselho Geral do Grande Oriente do Brasil de 22.07.l940 (página 109 do Boletim n° 7 e 8 de Julho e Agosto) na Ordem do Dia, usa da palavra o Capitão Octaviano Bastos e “procede a leitura da Constituição do Rito Brasileiro, a qual é aprovada por unanimidade. O Projeto de Lei obtivera parecer favorável da Comissão de Legislação dispondo:” “O Grão Mestre fica autorizado:

1. A ativar o funcionamento do Rito Brasileiro, de conformidade com sua Constituição, e a iniciar a formação de seu “Conclave”, nomeando os seus primeiros fundadores. 2. A estimular a instalação da primeira Oficina do Rito, dispensando todas as taxas a que estiver sujeita e, bem assim os emolumentos dos três primeiros profanos que nela se iniciarem 3. Conceder favores idênticos ás Oficinas que passarem a funcionar segundo o Rito Brasileiro, dentro do prazo de 180 dias renunciando o regime capitular 4. A providenciar junto ao “Conclave”, para que aos Maçons Capitulares dessas Oficinas sejam concedidos títulos do Rito Brasileiro, correspondentes aos altos graus possuídos, com o fim de constituírem os respectivos corpos”

O Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil, irmão Joaquim Rodrigues Neves através do Ato 1617 de 03.08.1940 autoriza a organização do Rito. O mentores principais deste movimento foram o Irmão Alvaro Palmeira, que viria posteriormente ser Grão Mestre do GOB e Octaviano Bastos, alem de outros. Realizaram três reuniões em 1940, quatorze em 1941, fundaram um Conclave em 17.02.1941, segundo Octaviano Bastos, constando da ata onze assinaturas como sendo os organizadores do Conclave e Fundadores do Rito. Foram fundadas algumas Lojas, alem de outras que passaram a adotar o Rito, estabeleceram insígnias, colares dos cargos, criaram os aventais, medalhas e usaram aquele já citado Ritual de 1921. Era o novo Rito apesar das dificuldades, se impondo aos poucos, tal qual uma criança que está crescendo.

* Ainda em 1941 foi publicada uma Constituição contendo 19 artigos O Ritual era uma cópia do Rito de York, acrescentando a Palavra de Passe para “Cruzeiro do Sul” e o Rito era então composto de três graus: Aprendiz Companheiro e Mestre e mais quatro títulos de Honra

4º Cavaleiro do Rito 5º Paladino do Dever 6º Apóstolo do Bem Público 7º Servidor da Ordem,da Pátria e da Humanidade

Foi determinado- que estes títulos seriam equivalentes para os visitantes a saber; Cavaleiro do Rito- 4º seria equivalente ao grau 18 Paladino do Dever 5º seria equivalente ao grau 30 Apóstolo do Dever 6º – seria equivalente ao grau 31 Servidor da Ordem da Pátria, e da Humanidade 7º seria equivalente ao grau 33. Em 18.09.1942 em uma Sessão de Emergência no Rio de Janeiro no Rito Brasileiro na Loja “Brasil”, foi iniciado sendo imediatamente elevado ao grau 03, por motivos políticos evidentemente, alem de um outro profano, o Coronel Manoel Viriato Dornelles Vargas, irmão carnal do Presidente Getulio Vargas, o qual tinha um outro Irmão também maçom o Cel. Protasio Vargas. Acresça-se que o pai de Getulio Vargas, o General Manoel Nascimento Vargas, herói da Guerra do Paraguai, e combatente da Revolução Federalista ao lado das forças legalistas, foi iniciado em São Borja no dia 24.08.1876 na Loja “Vigilância e Fé”.

Entretanto, o Grão-Mestre Joaquim Rodrigues Neves posteriormente, por problemas havidos com os mais importantes membros do Rito Brasileiro através dos Decretos 1843,1844 e 1845 datados de Março de 1944 suspende os direitos maçônicos de vários “Servidores da Pátria e da Ordem” e entre eles os do Irmão Alvaro Palmeira, seu Grão-Mestre Adjunto, do Irmão Capitão Octaviano Menezes Bastos, Alexandre Brasil de Araújo, Carlos Castrioto e do Coronel Dilermando de Assis, todos considerados como organizadores e fundadores do Rito em 1940. Estava acontecendo mais uma briga interna no GOB, com situações complexas que não vem ao caso comenta-las. Alvaro Palmeira e seu grupo funda a Grande Loja do Estado do Rio de Janeiro quando em 1948, ele passa a fazer parte do Grande Oriente Unido, outra Potência dissidente a qual foi finalmente incorporada Grande Oriente do Brasil em 22.12.1956. Tudo voltou ao “normal” daí há algum tempo, quando o Irmão Alvaro Palmeira e seus seguidores voltaram ao GOB, e voltaram politicamente fortes.

Somente em 13.03.1968 quando o Irmão Alvaro Palmeira, que sempre batalhou pelo Rito, então Grão-Mestre do GOB, através do Ato 2080 renovou os objetivos do Ato n° l6l7 de l940. Com o apoio agora firme do Grão-Mestre foi mais fácil o Rito ser uma realidade, e começar a crescer. Foi talvez o renascimento do Rito, quiçá considerado por alguns autores como o ano de sua verdadeira fundação. Podemos dizer que a partir daí realmente o Rito começou a se encontrar. Alvaro Palmeira fez as alterações que deveriam ser feitas, deu nova feição aos Rituais com emendas na Constituição e outras providências, nomeou uma comissão de 15 Irmãos com amplos poderes para revisar e reestruturar todo o Rito, para coloca-lo dentro das exigências internacionais para ser tornar um Rito regular, dando-lhe uma abrangência universal, separando os graus simbólicos dos filosóficos. Em 10.06.1968 foi firmado um “Tratado de Amizade e Aliança” entre o GOB e o Supremo Conclave do Rito Brasileiro e ratificado pela Soberana Assembléia Legislativa em 27.07.1968. Em 1973, infelizmente, ocorreu mais uma grave cisão na Maçonaria Brasileira. Após desentendimentos entre a cúpula do GOB e alguns Grão-Mestres Estaduais, cerca de dez Grandes Orientes saíram do GOB, constituindo a hoje chamada COMAB (Confederação da Maçonaria Brasileira).

Após esta cisão, Lojas do Rito Brasileiro dos Grandes Orientes dissidentes ficaram sem cobertura para seus graus filosóficos. Em Cataguases, Minas Gerais em 10.02.l974 foi fundado um Supremo Conclave Autônomo para o Rito Brasileiro pelo Irmão Lysis Brandão da Rocha e mais alguns Irmãos de real envergadura, para dar assistência filosófica às Lojas do Rito em Minas Gerais. Este Supremo Conclave que teve Lysis como seu 1° Grande Primaz foi registrado como personalidade jurídica no Cartório de Registro Geral das Pessoas Jurídicas de Cataguases-Mg. sob o n.º 460 como “Conclave dos Servidores da Ordem e da Pátria – Supremo Conclave Autônomo para o Rito Brasileiro”. Este Supremo Conclave foi fundado pelo menos inicialmente, para atender as Lojas no Estado de Minas Gerais, que estavam a descoberto em seus graus superiores antes de realizar tratados com outros Grandes Orientes de outros Estados.

Desta forma passou existir no Brasil dois Supremos Conclaves. Um ligado ao GOB e outro ligado à COMAB. Entretanto, a bem da verdade, ambos trabalham em prol do engrandecimento do Rito Brasileiro. O Rito Brasileiro não tem o reconhecimento das Grandes Lojas do Brasil. O Supremo Conclave Autônomo de Cataguases fez vários tratados de Amizade com os Grandes Orientes dissidentes regendo atualmente o Rito na COMAB. O Rito Brasileiro hoje, quer no GOB quer na COMAB é o segundo Rito mais difundido entre os Ritos adotados no Brasil. Novas Lojas estão sendo fundadas, a sua maneira harmoniosa de ser executado, os seus propósitos cívicos, morais, históricos e culturais, estão fazendo a cada dia mais adeptos. Ele vem se firmando cada vez mais e vem encontrando sua identidade a qual dentro de mais alguns anos estará completamente formada.

Convém frisar que o Rito Brasileiro é patriótico sem ser nacionalista ou xenófobo. Tanto é verdade que ele prega que “ Constitue um dos altos objetivos do Rito o incentivo e a prática do Civismo em cada Pátria”. Ele desde que adaptado a qualquer país, poderá, poderá ser usado como sendo o Rito daquele país. Os graus superiores do Rito são transparentes, modernos, objetivos, fluentes e lindos. Alem de seu desenrolar ser escrito em linguagem moderna e bastante compreensível, não existe aquela autoimprecação onde o elevando na hora de seu juramento fica chamando sobre si as piores pragas e os maiores e trágicos castigos caso seja considerado um mau adepto. O Rito Brasileiro confia mais na palavra do maçom. A palavra de um Homem tem muito mais valor que um juramento forçado, pueril e ambíguo.

É Um Rito Teísta e a sua concepção de Deus é que ele seja o Supremo Arquiteto do Universo, e não Grande Arquiteto do Universo, pois “grande” não define bem profundidade da idéia de Deus para os maçons do Rito Brasileiro, uma vez que “grande” é um epíteto muito usado freqüentemente para definir coisas imensas. Porem se respeita as concepções de outros Ritos sem quaisquer restrições. Em que pesem os inimigos do Rito Brasileiro, apesar de todos os seus percalços, ele está aí, ele existe, e vai continuar crescendo dentro de seu espaço, sem molestar ou interferir nos outros Ritos, os quais respeita sem contesta-los.

Atualmente o Rito tem trinta e três graus contando com os três primeiros:

Aprendiz, Companheiro e Mestre

Simbólicos

* 1)Aprendiz

* 2)Companheiro

* 3)Mestre

Filosóficos

* 4) Mestre da Discrição

* 5) Mestre da Lealdade

* 6) Mestre da Franqueza

* 7) Mestre da Verdade

* 8 ) Mestre da Coragem

* 9) Mestre da Justiça

* 10) Mestre da Tolerância

* 11) Mestre da Prudência

* 12) Mestre da Temperança

* 13) Mestre da Probidade

* 14) Mestre da Perseverança

* 15) Cavaleiro da Liberdade

* 16) Cavaleiro da Igualdade

* 17) Cavaleiro da Fraternidade

* 18) Cavaleiro Rosa-Cruz ou da Perfeição

* 19) Missionário da Agricultura e da Pecuária

* 20) Missionário da Indústria e Comércio

* 21) Missionário do Trabalho

* 22) Missionário da Economia

* 23) Missionário da Educação

* 24) Missionário da Organização Social

* 25) Missionário da Justiça Social

* 26) Missionário da Paz

* 27) Missionário da Arte

* 28) Missionário da Ciência

* 29) Missionário da Religião

* 30) Missionário da Filosofia. Kadosh Filosófico

* 31) Guardião do Bem Público

* 32) Guardião do Civismo

* 33) Servidor da Ordem da Pátria e da Humanidade

Distribuição de Graus

Estes graus se distribuem através da várias Oficinas litúrgicas da seguinte maneira:

* 1. Sublimes Capítulos ( Graus 4 ao 18) dedicados à Cultura Moral

* 2. Grandes Conselhos Filosóficos ( Câmaras dos graus 19 a 30 –Kadosh)dedicados

à cultura artística, científica, tecnológica, e filosófica.

* 1. Altos Colégios ( graus 31 e 32) dedicados à cultura cívica

* 2. Supremo Conclave dedicado à síntese humanística.

O Rito Maçônico Brasileiro, é na verdade um Rito da Maçonaria Universal que expressa a essência-nuclear dos ensinos da Ordem Maçônica que são puramente Científicos e Filosóficos, o que igualmente beneficia a espiritualidade pessoal e coletiva, já que tudo o que fazemos e aprendemos e que de fato seja certo ou digno, nos beneficia positivamente a nossa Eterna Evolução Intelectual e Espiritual!

Referências

COLETÂNEA MAÇONICA – Irmão LYSIS BRANDÃO DA ROCHA – 1987. COLETÂNEA “BIGORNA” 2º volume – KURT PROBER Bigornas n.º 36 de 06/85. n.º 59 de 08/86. HISTÓRIA DO SUPREMO CONSELHO DO GRAU 33:. DO BRASIL Irmão KURT PROBER 1981. ACHEGAS PARA A HISTÓRIA DA MAÇONARIA NO BRASIL – Isa Ch’an – Irmão KURT PROBER – Volume 3 1981 – Origem do “Rito Brasileiro” no do GOB. BOLETINS DO GRANDE ORIENTE DO BRASIL DE 1914 a 1919 e 1940 a 1944.

Fonte: Rito Brasileiro da Wikipédia em http://pt.wikipedia.org/wiki/Rito_Brasileiro

Sobre o rito Moderno

Posted in Introdução with tags , on 20/03/2009 by J.D.

Rito Moderno
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Rito Moderno é um Rito utilizado por maçons, com grande difusão e prática no continente europeu, onde é conhecido usualmente por Rito Francês e também por Rito Francês ou Moderno.
Índice

* 1 Nome
* 2 Os Altos Graus
o 2.1 Ordens de Sabedoria
o 2.2 As equivalências entre o Rito Francês e os outros Ritos
* 3 Evolução histórica posterior
* 4 Implantação em Portugal e no Brasil
* 5 Reforma Doutrinária
* 6 Referências
* 7 Bibliografia
* 8 Ligações externas

O Nome

O nome deve-se à adoção do Ritual da “primeira” Grande Loja de Londres, dita dos Modernos (conhecem-se os rituais desta primeira Grande Loja, através duma obra publicada em 1730 com o nome de “Masonry Dissected” e que provocou enorme escândalo e alarido na epoca ao revelar publicamente estes rituais) e que foi traduzido para utilização das primeiras Lojas Simbólicas em França, assim o Rito dos “modernos” é traduzido para francês e passa a denominar-se, por facilidade e abreviação de Rito Francês ou Rito Moderno (neste ultimo caso nos países anglo-saxónicos e na américa latina), em vez de Rito Francês ou Moderno, como é a sua designação correcta, principalmente a partir de 1801, quando o Grande Oriente de França publica o “Régulateur du Maçon” para utilização nas Lojas Simbólicas[1].

Se citamos uma “primeira” Grande Loja, é porque na maçonaria Inglesa se vai assistir em 1751 ao aparecimento de uma “segunda” Grande Loja, esta Grande Loja, dita dos “Antigos Maçons” apresenta-se como congregando os Maçons fiéis aos “antigos costumes”, entre outras coisas critica a “primeira” Grande Loja, dita dos “Modernos”, por introduzir inovações e modificações aos Rituais nomeadamente para despistar os profanos que eventualmente tenham lido o livro “Masonry Dissected”, estas rivalidades e as suas querelas ou controvérsias bem como os anátemas entre estas duas Grandes Lojas, fazem parte da história da maçonaria Inglesa até 1813, data a partir da qual se fundem, não na sua totalidade, sob a pressão do poder político para criarem a actual Grande Loja Unida de Inglaterra[2].

Os Altos Graus

Durante os cerca de cinquenta anos (entre 1735 e 1785) em que a Maçonaria se expandiu em França, fundaram-se e desenvolveram-se inúmeras Lojas e Capítulos estes ultimos constituíam indiscriminadamente Altos Graus, muitas vezes estes Altos Graus só eram praticados numa cidade ou então apenas por um conjunto limitado de Lojas da mesma cidade.

Aquando do Convento de 1773, no qual a primeira Grande Loja de França, fundada em 1738, muda o seu nome para o actual Grande Oriente de França, instituindo-se a si mesma como uma federação de Lojas e de Ritos entre outras medidas adoptadas nos trabalhos históricos desse Convento (que se realizou recorde-se vinte anos antes à Revolução Francesa) põe-se cobro à inamovibilidade dos Veneráveis Mestres das Lojas (prática comum na epoca) instaurando-se o principio da eleição para os diferentes cargos e instaura-se igualmente o direito de representatividade das Lojas, cujos Representantes (chamados de Delegados ou Deputados), vêm a constituir o Convento (que era e continua a ser o órgão legislativo desde então) do Grande Oriente de França.

Consciente da necessidade de estabelecer a sua própria doutrina dos Altos Graus e para pôr cobro à proliferação indiscriminada das centenas de Graus e de rituais então existentes, o Grande Oriente de França vai criar em 1782, uma Câmara de Altos Graus, através duma circular publicada em 1784, esta circular estabelece a reunificação de sete Soberanos Capítulos Rosa-Cruz, criando uma nova instituição denominada Grande Capítulo Geral de França, que tem como finalidade “ser a Assembleia Geral de todos os Soberanos Capítulos que existem ou que venham a existir regularmente em França” e que “não afiliará no seu seio nenhum Soberano Capitulo que não seja portador de constituições outorgadas pelo Grande Oriente de França”[3].

Este Grande Capítulo Geral, sob a orientação e dinamização de Roettiers de Montaleau, seu Grande Orador, vai efectuar a análise e o estudo de uma centena de graus que existiam na epoca e vai redigir um Ritual próprio consoante a sua respectiva afinidade ritualistica simbólica e filosófica, a este agrupamento de diferentes graus da mesma “família filosófica maçónica”, vai dar-se-lhe o nome de Ordens, sendo que o Convento de 1786, reunindo com o Grande Capítulo Geral, confia a este, a administração dos Capítulos que trabalham num grau “superior” ao terceiro.

Ordens de Sabedoria

Assim o conjunto da Alta Maçonaria Filosófica deste rito, compreende cinco Ordens de Sabedoria[4], a saber:

1ª Ordem: Eleito ou Eleito Secreto;

2ª Ordem: Grande Eleito ou Grande Eleito Escocês;

3ª Ordem: Cavaleiro Maçónico ou Cavaleiro do Oriente;

4ª Ordem: Soberano Príncipe Rosa-Cruz, Cavaleiro da Águia e do Pelicano ou Perfeito Maçónico Livre;

5ª Ordem: Ilustre e Perfeito Mestre

As equivalências entre o Rito Francês e os outros Ritos

Com o Rito Escocês Antigo Aceito[5]:

1ª Ordem: 9º ou mais (Mestre Eleito dos Nove);

2ª Ordem: 14º e mais (Grande Escocês da Abóbada Sagrada);

3ª Ordem: 18º e mais (Cavaleiro Rosa-Cruz);

4ª Ordem: 30º e mais (Cavaleiro Kaddosch);

5ª Ordem: 33º (Grande Inspector Geral);

Com o Rito Escocês Retificado[6]:

1ª à 4ª Ordem: Mestre Escocês de Santo André e mais;

5ª Ordem: Cavaleiro Benfeitor da Cidade Santa (CBCS).

Evolução histórica posterior

Depois do Convento de 1786 foi desenvolvido na época e intensamente as actividade das Ordens de Sabedoria ou dos Altos Graus do Rito Francês, espalhando-se por toda a França e pelas colonias francesas, pela Bélgica e todos os países que pertenciam à área de influencia continental francesa, incluindo Portugal e Espanha que por sua vez a passam para os países latino-americanos, inclusive para o Brasil.

Este impeto esmoreceu progressivamente, no decorrer da segunda metade do século XIX, principalmente em França.

Implantação em Portugal e no Brasil

Em 1802, Hipólito José da Costa trouxe de Londres e de Paris a Carta Patente necessária para o funcionamento do Grande Oriente Lusitano, sendo dois anos mais tarde assinado um Tratado de Amizade com o Grande Oriente de França, o mesmo é assinado, por parte do Grande Oriente Lusitano, pelo membro de nome simbólico Egas Moniz, Cavaleiro Rosa-Cruz[7], o que pressupõe que as Ordens de Sabedoria do Rito Francês já existiam anteriormente em Portugal, no seio do Grande Oriente Lusitano embora não existam documentos que abonem nesse sentido, mas a Constituição do Grande Oriente Lusitano de 1806, refere-se explicitamente, nos seus Capítulos IIIº e XIIIº, às diferentes Ordens e Capítulos do Rito Francês o que pressupõe a existência dum “Soberano Grande Capítulo de Cavaleiros Rosa-Cruz”, assim como de vários Capítulos em território português e nas então colónias.

No início do século XIX, o Grande Oriente do Brasil, a primeira Obediência brasileira, foi fundada em 1822, adotando o Rito Moderno, antes do Rito Escocês que só seria introduzido em 1832[8].

Reforma Doutrinária

Em 1877 houve a grande reforma doutrinária que suprimiu a obrigatoriedade da crença em Deus e da imortalidade da alma, não como uma afirmação do ateísmo, mas por respeito à liberdade religiosa e de consciência, já que as concepções religiosas de uma pessoa devem ser de foro íntimo, não devendo ser impostas. O Grande Oriente de França, que acolheu a reforma, queria demonstrar com isso o máximo de escrúpulos para com os seus filiados, rejeitando toda e qualquer afirmação dogmática. Essa atitude provocou uma rápida reação da Grande Loja Unida da Inglaterra que rompeu com o Grande Oriente de França. O caso envolveu não apenas uma questão doutrinária como ainda político-religiosa.

Referências

1. ↑ in Alain Pigeard e outros, Os Franco-Mações, 2003 (1.ª Ed.), Editora Pregaminho, ISBN 972-711-429-6 (Traduzido da edição original: Les Francs-Maçons, Éditions Tallandier, Paris, 1998)
2. ↑ in Alain Pigeard e outros, Os Franco-Mações, 2003 (1.ª Ed.), Editora Pregaminho, ISBN 972-711-429-6 (Traduzido da edição original: Les Francs-Maçons, Éditions Tallandier, Paris, 1998)
3. ↑ Grande Oriente Lusitano – Maçonaria Portuguesa » Rito Francês ou Moderno
4. ↑ Grande Oriente Lusitano – Maçonaria Portuguesa » Rito Francês ou Moderno
5. ↑ Grande Oriente Lusitano – Maçonaria Portuguesa » Rito Francês ou Moderno
6. ↑ Grande Oriente Lusitano – Maçonaria Portuguesa » Rito Francês ou Moderno
7. ↑ in A. H. de Oliveira Marques, História da Maçonaria em Portugal, I Volume, Editorial Presença, Lisboa, 1990, ISBN 972-23-1226-X
8. ↑ in A. H. de Oliveira Marques, História da Maçonaria em Portugal, I Volume, Editorial Presença, Lisboa, 1990, ISBN 972-23-1226-X

Bibliografia

* António Arnaut, Introdução à Maçonaria, 2000, Coimbra Editora, ISBN 9789723214161
* A. H. de Oliveira Marques, História da Maçonaria em Portugal, I Volume, Editorial Presença, Lisboa, 1990, ISBN 972-23-1226-X
* Alain Pigeard e outros, Os Franco-Mações, 2003 (1.ª Ed.), Editora Pregaminho, ISBN 972-711-429-6 (Traduzido da edição original: Les Francs-Maçons, Éditions Tallandier, Paris, 1998)

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rito_Moderno

Sobre o rito de York

Posted in Introdução with tags , on 20/03/2009 by J.D.

O Rito de York foi fundado no ano de 1799, tendo como organizador e fundador principal o Ir Thomas Smith Webb. É justamente este irmão, que deu a estrutura e doutrina filosófica com os seus respectivos procedimentos gerais ao sistema maçônico que pode ser identificado pelo nome genérico de “Rito Americano” ou “Rito de York”.

Thomas Smith Webb:

13 de Outubro de 1771 – 6 de Julho de 1819 Nasceu e educado em Massachusetts, autor do The Freemason’s Monitor; e, Illustrations of Masonry (1797), Iniciado: 17 de Dezembro de 1790 Loja Rising Sun, New Hampshire Veneravel Mestre – Templo Loja, Albany Grão Mestre: 1813, 1814 Grande Loja de Rhode Island

A Grande Loja da Pensilvânia, foi a primeira Grande Loja a ser fundada naquele país norte-americano. O Rito de York, diferentemente como é praticado no Brasil, só existe a partir do 4º grau e se estende até o 13º Grau, nada mais.

As Blue Lodges, ou seja, as Lojas Simbólicas americanas trabalham com um ritual que descende diretamente do velho Ritual da Grande Loja dos Antigos(a de 1751), portanto, mais antigo do que os rituais ingleses atuais, todos posteriores à União de 1813.

As Grandes Lojas americanas, não têm nenhum vinculo com os Ritos de York e Escocês Antigo e Aceito.

Aqui no Brasil, as Grandes Lojas, o Grande Oriente do Brasil e os Grandes Orientes, apesar de afirmarem que trabalham no Rito de York, trabalham especificamente no sistema ritualístico inglês, ou seja, o Craft(Ofício) ou ainda “Cerimônias Exatas da Arte Maçônica”, nada tendo a ver com o legitimo Rito de York, o Americano.

O que na realidade aqui no Brasil, pelo menos as Grandes Lojas, deveriam trabalhar com os mesmos rituais americanos, ou seja, os utilizados pela maioria esmagadora das Grandes Lojas americanas.

O rito de York no Brasil

O Rito de York chegou ao Brasil através do Grande Oriente Unido, também conhecido por “Grande Oriente dos Beneditinos”, com a Washington Lodge, fundada em 19 de novembro de 1874, na cidade de Santa Bárbara do Oeste-SP. Esta Loja “não foi fundada por ingleses, mas, sim, por americanos”, depois de terem emigrado para o Brasil, por ocasião da Guerra Civil nos Estados Unidos da América.

Eles eram quase todos, originários do Estado do Alabama”.

Lojas inglesas no Brasil

A pioneira foi a Orphan Lodge [Loja Órfã], fundada na cidade do Rio de Janeiro, Estado do mesmo nome. O título distintivo da Loja Órfã era alusivo ao fato de ser a única da América do Sul, abaixo do equador, já que acima embora incipiente, existia Maçonaria em Georgetown, capital da Guiana Inglesa, que fora anexada à Grã-Bretânha em 1812, pela convenção de Londres, após a conquista dos territórios holandeses, pelos ingleses. A segunda foi a St. John’s Lodge, também na cidade do Rio de Janeiro e a terceira foi Southem Cross Lodge, fundada na cidade do Recife, Estado de Pernambuco, em data não estabelecida, porém instalada em 15 de junho de 1856. Vale ressaltar que as Lojas ora em epigrafe, não trabalhavam no “Rito de York”. E sim, no Sistema Ritualístico Inglês. Ou seja, sem nenhuma conotação com o verdadeiro Rito de York, o fundado nos Estados Unidos da América.

Loja do rito de York no Grande Oriente Unido

O Grande Oriente Unido ou “Grande Oriente dos Beneditinos”, como também, era conhecido, foi fundado em 16 de dezembro de 1863, por Joaquim Saldanha Marinho teve, durante sua existência, apenas uma autêntica Loja do Rito de York sob sua jurisdição, que foi a Washington Lodge, fundada em 19 de novembro de 1874, na cidade de Santa Bárbara d’Oeste-SP (fundada por americanos e não por ingleses).

Lojas do rito de York no Grande Oriente do Brasil

A primeira Loja do Rito de York verdadeiramente fundada sob a égide do Grande Oriente do Brasil, foi a Eureka Lodge nº 440 em data de 22 de dezembro de 1891, na cidade do Rio de Janeiro é que foi fundada a primeira Loja do Rito de York sob a égide do Grande Oriente do Brasil. Um Grupo de Motociclistas se reuniu e fundou no dia 15 de Novembro de 2006 a Loja Maçonica Cavaleiros de Aço (GLESP), que trabalha no Rito York em Ribeirão Preto, São Paulo. O Rito de York é o rito predominante da Maçonaria Norte Americana. Sob sua égide se desenvolveram líderes da sociedade estadudinense nos principios da Liberdade Igualdade e Fraternidade. Estudiosos afirmam que este rito tem origens iluministas. O Rito de York, por ser teísta, está mais ligado aos países onde os cultos evangélicos predominam, pois o clero desses cultos tem dado à Maçonaria o apoio e o suporte necessário para a sua evolução e crescimento. O Rito de York foi fundado no ano de 1799, tendo como organizador e fundador principal o Ir Thomas Smith Webb. É justamente este irmão, que deu a estrutura e doutrina filosófica com os seus respectivos procedimentos gerais ao sistema maçônico que pode ser identificado pelo nome genérico de “Rito Americano” ou “Rito de York”.

O rito de York no Brasil

O Rito de York chegou ao Brasil através do Grande Oriente Unido, também conhecido por “Grande Oriente dos Beneditinos”, com a Washington Lodge, fundada em 19 de novembro de 1874, na cidade de Santa Bárbara do Oeste-SP. Esta Loja “não foi fundada por ingleses, mas, sim, por americanos”, depois de terem emigrado para o Brasil, por ocasião da Guerra Civil nos Estados Unidos da América.Eles eram quase todos, originários do Estado do Alabama”.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rito_de_York

Sobre o rito Escocês Antigo e Aceito

Posted in Introdução with tags , , on 16/03/2009 by J.D.

O Rito Escocês Antigo e Aceito ou R.·.E.·.A.·.A.·. é um Rito dentro da Maçonaria, que deriva do Rito de Heredom e da época da fuga dos Cavaleiros Templários para a Escócia. Ligados ao Antigo Testamento e à lenda de Hiram (lenda base da Maçonaria simbólica) julga-se que alguns dos ritos descritos eram praticados por outras ordens secretas existentes em França como os Martinistas, na Alemanha como os Illuminatti ou os Rosa-Cruz e na Escócia como os Templários (estes refugiados nesse país depois da sua perseguição nos Grêmios ou Lojas da classe profissional dos Pedreiros Livres aí existentes).

O rito é composto de três graus simbólicos e trinta filosóficos.

Existe muita controvérsia sobre a influência templária no R.·.E.·.A.·.A.·., mas os mais atuais estudos, feitos por Nicola Aslan e José Castellani em seus diversos livros, nos dão conta de que o templarismo não influenciou o R.·.E.·.A.·.A.·. propriamente dito mas sim ao Rito de Perfeição ou de Heredom, sob a pena de Andrew Ramsay, cavaleiro escocês que protagonizou a criação deste rito em solo francês, ocasião em que proferiu dois discursos de grande repercussão a respeito do assunto. O Rito de Perfeição ou de Heredom foi por esse motivo o ponto de partida para o R.·.E.·.A.·.A.·. mas este sofreu vastas modificações até se ter tornado no que é hoje.

Geridos pelas Obediências Maçônicas, cada um dos três primeiros graus apresenta de forma paulatina ensinamentos básicos simbólicos aos iniciados maçons no almejado aprimoramento moral e espiritual. Quando os maçons atingem o 3.º Grau, diz-se que estão em pleno gozo de suas prerrogativas maçônicas, uma vez que originalmente a Grande Loja Unida da Inglaterra trabalhou sucessivamente com dois (Aprendiz e Mestre) e depois com três graus que ensinavam a parte da filosofia base da simbólica maçônica.

Os graus referidos como Filosóficos, são graus elevados e em número de trinta, onde a filosofia e a moral são estudadas simbolicamente, em cada grau, com lendas ou mitos a estes associados.

Os graus elevados Filosóficos são geridos por vários Supremos Conselhos, que têm como objectivo manter a uniformidade mundial dos rituais e dos métodos utilizados.

Existe também o Rito Escocês Retificado, também chamado de Rito de Willermoz em alusão ao seu idealizador, Jean Baptiste Willemoz, que tencionava trazer de volta o rito às suas origens templárias com fortes ecos no Rito de Perfeição ou de Heredom, do qual deriva o Rito Escocês Antigo e Aceito.

Simbólicos ou Tradicionais

1) Aprendiz

2) Companheiro

3) Mestre

Lojas da Perfeição ou Filosóficos

4) Mestre Secreto

5) Mestre Perfeito

6) Secretário Íntimo ou Mestre por Curiosidade

7) Preboste e Juiz ou Mestre Irlandês

8 ) Intendente dos Edifícios ou Mestre em Israel

9) Cavaleiro Eleito dos Nove Mestre Eleito dos Nove

10) Cavaleiro Eleito dos Quinze ou Ilustre Eleito dos Quinze

11) Sublime Cavaleiro dos Doze ou Sublime Cavaleiro Eleito

12) Grão-Mestre Arquitecto

13) Cavaleiro do Real Arco (de Enoch)

14) Grande Eleito da Abóboda Sagrada de Jaime VI ou Grande Escocês da Perfeição ou Grande Eleito ou Antigo Mestre Perfeito ou Sublime Maçom[1]

Capítulos

15) Cavaleiro do Oriente ou da Espada

16) Príncipe de Jerusalém (Grande Conselheiro)

17) Cavaleiro do Oriente e do Ocidente

18) Cavaleiro ou Soberano Príncipe Rosa-Cruz Areópagos

19) Grande Pontífice ou Sublime Escocês de Jerusalém Celeste

20) Soberano Príncipe da Maçonaria ou Mestre “ad Vitam” ou Venerável Grão-Mestre de todas as lojas

21) Cavaleiro Prussiano ou Noaquita

22) Cavaleiro Real Machado ou Príncipe do Líbano

23) Chefe do Tabernáculo

24) Príncipe do Tabernáculo

25) Cavaleiro da Serpente De Bronze

26) Príncipe da Mercê ou Escocês Trinitário

27) Grande Comendador do Templo ou Soberano Comendador do Templo de Salomão

28) Cavaleiro do Sol ou Príncipe Adepto

29) Grande Cavaleiro Escocês de Santo André da Escócia ou Patriarca dos Cruzados ou Grão-Mestre da Luz

30) Grande Inquisidor, Grande Eleito Cavaleiro Kadosh ou Cavaleiro da Águia Branca e Negra Administrativos

31) Grande Juiz Comendador ou Grande Inspetor Inquisidor Comendador

32) Sublime Cavaleiro do Real Segredo ou Soberano Príncipe da Maçonaria

33) Soberano Grande Inspector-Geral.

Bibliografia

* CAMINO, Rizzardo da , Rito Escocês Antigo e Aceito Loja de Perfeição (Graus 1.º ao 33.º), Madras Editora Ltda, 2.ª Edição, 1999, ISBN 85-85505-65-6
* ARNAUT, António, Introdução à Maçonaria, Coimbra Editora, 5ªEdição, 2006, ISBN 978-972-32-1416-4

Notas e referências

↑ CAMINO, Rizzardo da. Os Graus Inefáveis 4.º ao 14.º – Rito Escocês Antigo e Aceito. Ed. Canto das Letras. Pg. 295. ISBN 8537002224.
QUEIROZ, Álvaro. A Maçonaria Simbólica – Rito Escocês, Antigo e Aceito. Ed. Madras. Pg. 25. ISBN 9788537002735.
FIGUEIREDO, Joaquim Gervásio de. Dicionário de Maçonaria. Ed. Pensamento. Pg. 425. ISBN 8531501733.
COSTA, Wagner Veneziani. Maçonaria – Escola de Mistérios. Ed. Madras. Pg. 227. ISBN 8537001295.
KARG, Barb, YOUNG, John K. O Livro Completo dos Maçons. Ed. Madras. Pg. 225. ISBN 9788537002629.
GUIMARÃES, João Francisco. Maçonaria, a Filosofia do Conhecimento. Ed. Madras. Pgs. 87, 122. ISBN 8537000914.
JURADO, José Martins. Maçonaria Adonhiramita. Ed. Madras. Pg. 136. ISBN 8573748087.
CAMINO, Rizzardo da. Rito Escocês Antigo e Aceito – 1.º ao 33.º. Ed. Madras. Pg. 149. ISBN 9788537002223.
ANATALINO, João. Conhecendo a Arte Real – a Maçonaria e Suas Influências Históricas e Filosóficas. Ed. Madras. 2007. Pg. 267. ISBN 978-85-370-0158-5

Este texto foi retirado de: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rito_Escoc%C3%AAs_Antigo_e_Aceito